Rodrigo Santiago

O fantasma da liberdade

In Maluquice on 9, agosto, 2007 at 20:59

Remexendo meus trabalhos de faculdade me deparei com um texto em que fiz uma pequena análise do filme “O fantasma da liberdade”, dirigido por Luis Buñuel e escrito por ele e por Jean-Claude Carrière. Foi seu penúltimo filme, lançado em 1974. O filme é estruturado em forma de pequenas esquetes que, embora desconexas umas das outras, juntas formam uma narrativa coerente e não convencional, já que o filme não possui uma trama. Todas as esquetes estão intimamente ligadas através da mensagem que Buñuel passa. Ele mostra como estamos à mercê das convenções sociais e dos valores da sociedade na qual vivemos. Mais do que fazer uma crítica a estas convenções pré-estabelecidas da sociedade, Buñuel critica ferozmente os propagadores destes valores, a burguesia e a Igreja Católica, e, ainda, a cegueira com a qual nos apegamos a estas convenções. Este filme nos permite enxergar estas convenções sociais como algo historicamente construído e não como algo transcendental.

Uma das técnicas utilizada por Buñuel para demonstrar seu ponto de vista é a inversão de valores. O maior exemplo é a insólita cena do “jantar”, na qual uma família tipicamente burguesa — a burguesia era, como já mencionei, um dos principais alvos das críticas de Buñuel — senta-se ao redor da mesa, mas ao invés de sentarem-se em cadeiras, sentam-se em vasos sanitários e fazem ali mesmo, coletivamente, suas necessidades fisiológicas. O contraponto da cena se dá quando um dos presentes pede licença e vai ao “banheiro”, pega um prato de comida e, recluso, se alimenta. A sociedade convencionou o que é privado e o que é público, o que é certo e o que é errado. Nada contra, desde que não tentem me convencer de que as convenções são transcendentais e imutáveis. Da mesma forma como foram construídas, podem muito bem ser dissolvidas. O pior de tudo é que muita gente não se toca disso e passa a vida inteira sem percebê-las. Quando questionado limita-se a responder “sempre foi assim”.

A maioria das pessoas está condicionada a não refletir sobre as coisas que se passam em seu cotidiano, e dessa maneira vamos cada vez mais rápido em direção ao barranco. Não gosto muito de fazer análises dos significados dos títulos, mas o título desse filme de Buñuel é claro: o “fantasma da liberdade” é a crença cega nestes valores pré-estabelecidos, pois nos limitam e nos condicionam a uma vida que não sabemos se é a melhor para nós. A liberdade só é plena — ou só há liberdade —, segundo Buñuel, quando nos desprendemos destes valores e deveres que aprisionam a alma humana.

Assista aqui ao trailer do filme e aqui a uma cena.

  1. Vi o filme há muitos anos, e depois de ler este post, tenho vontade de o rever.
    Acho que não existe em dvd, mas vamos ver.

  2. Olá José. Que bom o post despertou o desejo de rever este filme. Também gostaria de revê-lo e prestar mais atenção do que da primeira vez. Aqui no Brasil sei que existe em DVD, talvez deva ter sido lançado por aí também.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: